Início / VIVA HISTÓRIAS PRA CONTAR
Fábio Pereira Carvalho
Por Equipe Maratona do Rio 14/06/2017

 

Estou a 32 dia de correr a minha primeira maratona ao 44 anos de idade, e como cheguei até aqui, cheguei aqui depois de muito levar a minha esposa para participar de inúmeras corridas de rua. Ela se inscrevia em todas e depois que nos casamos passei a leva-la para correr. Tudo que ela queria era a tão esperada foto da chegada, mas eu nunca conseguia pegar o exato momento. Depois de muito tentar registrar esse momento, em agosto de 2014, antes de ela entrar em uma corrida eu disse: Hoje eu vou com você! Ela, assustada, não entendeu e disse e me perguntou: Como assim? E falei que iria correr ao lado dela até aguentar. Ela não acreditou, mas lá estava eu. Nesse dia, dei largada para escrever uma história de determinação, disciplina, coragem e ousadia. Acabei correndo 8km chegando 48 minutos após ter largado, sem entender que sensação era aquela de ter corrido tanto.
Sempre disse a minha esposa que a motivação dela pelas corridas me fez começar. Ao contrário de muitos, eu sempre pratiquei esportes, sempre fiz musculação, não tinha problema com peso,  tinha saúde perfeita, e ver aquela a alegria dela cruzando a linha de chegada me fez começar. Então eu queria mais a cada dia. Mais quilômetros, mais aquela sensação de ir além, de superar as minhas marcas e ajuda-laa a melhorar cada vez mais as marcas delas. Corremos as principais as provas do segundo semestre de 2014, todas provas de 5km, mas os 10k não saiam de minha cabeça! Quando será que vou conquistar essa marca? Será que eu consigo? Em quanto tempo eu termino uma corrida dessas?
Até quem em 12/10/2015 eu larguei para correr os 10km, os meus primeiro 10km e quando cruzei a linha de chegada, mal acreditava no que tinha conseguido fazer. Completei em 52 minutos, como estava feliz! Que sensação incrível! Não fui o primeiro colocado, mas me sentia como se fosse. Os amigos ali para me cumprimentar. Eu fiquei cada vez mais motivado para treinar e conseguir alcançar a marca dos 21 km. Esse objetivo já tinha dia e hora marcada para acontecer: 26 de julho de 2015, Meia Maratona do Rio de Janeiro.

E assim foi durante os 9 meses de preparação.  Eu corri todas as corridas em que pude me inscrever sem nenhuma orientação técnica e sem musculação. Apenas corria ao lado da minha esposa e falava a ela que iria correr os 21km da meia maratona. Corria com muita dedicação, muita disciplina, muita força de vontade e muita alegrias. Fiz novas amizades e foram muitos quilômetros assim. Passados 9 meses, lá estava eu na largada na Av. do Pepê, 500, Barra da Tijuca, tão acostumado a largar ao lado da mulher da minha vida, a responsável por me colocar nesse universo. Mas dessa vez estava só. Era mais um no meio de um multidão e ouvido um monte de estratégias de corrida. Eu também tinha a minha e iria correr de ponta a ponta. Iria correr com a alma! Levaria comigo tudo o que vivi ao lado dela e tudo o que ela me ensinou para no fim poder abraçar minha esposa, até porque não tinha a mínima noção do que estava por vir.

Largamos! Lágrimas caíram logo ali no quebra mar. Hoje, sei que foram mais de alegria do que de dor ou tristeza, afinal, eu ia correr uma meia maratona.  Duas horas e cinco minutos depois eu estava entrando na reta final procurando ela no meio daquela multidão de pessoas aplaudindo e incentivando os corredores. Após cruzar a linha de chegada, vi que ela estava lá me esperando e, mesmo com muitas dores nas pernas, muitas câimbras e com as panturrilhas queimando, nos abraçamos! Coloquei a medalha em seu pescoço e disse: Ano que vem vou correr a Maratona do Rio e você correrá a meia maratona.
Diante do que passei correndo a meia desde a Barra até o Aterro, percurso esse que todos conhecemos, imaginei que correr uma maratona não seria nada fácil. Então, não esperei nem um só dia para começar a treinar para a Maratona do Rio que, dessa vez, teria sua edição antecipada para maio por causa dos jogos olímpicos. Como o passar dos meses, após a minha primeira meia maratona, segui correndo, treinando e fazendo tudo o que tinha feito para conseguir correr a meia. Lia todas as reportagens e matérias de como me preparar para um maratona, conversava com amigos maratonistas, pedia dicas de como deveria ser a preparação para um maratona. Alguns me orientavam a procurar uma assessoria, mas fui seguindo aquelas famosas planilhas de revistas, até que no dia 27/12/2016 resolvi fazer um longão e quebrar a marca dos meus 30 km, indo da Barra da Tijuca no posto 3 até o posto 12, no Recreio. A ideia era ir e voltar enquanto minha esposa ficava na praia.

Iniciei a corrida bem, com confiança de que iria consegui chegar aos 32km como planejado. O resultado foi que a inexperiência para correr uma distância dessa me fez quebrar no quilômetro 28. Nesse dia, descobri realmente e entendi o que significava o termo tão usado pelos corredores “quebrei”. Não conseguia dar um passo sequer. Não consegui mais correr e caminhar, era uma dificuldade que nunca imaginei ser possível. Corri sem dinheiro, sem hidratação, sem suplementação, apenas fui lá e corri. A vontade me levou a essa loucura que hoje descrevo como uma aventura e não como um treino.

Depois disso vi que correr um maratona se tratava de algo sério, que não daria para me preparar da mesma forma que fiz para correr a meia. Seria preciso algo a mais. Não bastava apenas o desejo de correr a maratona, eu precisava estar pronto, preparado, condicionado e meu corpo precisaria entender e aceitar correr os 42km 195m. Foi por intermédio de uma amiga, a maratonista Carla Gomes que  fui em busca de um técnico para coordenar a minha preparação. Comecei os treinamentos em janeiro desse ano e fui seguindo fielmente todas as orientações que eram passadas pelo meu técnico (Marcelo Duarte). Em janeiro de 2016 até o final de abril de 2016 eu corri 572,6 km e tive certeza de que estou pronto para correr a maratona. No final de maio, dia 17/4/2016 fizermos um treino que tinha como percurso: Reserva de Grumari até Barra da Tijuca. O equivalente a distância de 34km.

Mesmo com muito receio, porque já tinha quebrado, quando tentei correr acima dos 30km eu completei o treino em 03:29:33 e lá estava a minha esposa. Sempre ela! Ela que tinha acabado de fazer seu treinamento correndo 18km também pronta para os 21km da meia maratona. Que alegria! Depois de passar pela frustação da quebra, pela primeira vez eu tinha acabado de conseguir superar a marca do 30km. A emoção foi maior que as dores, dessa vez não tão fortes mas presente.
Hoje eu e minha esposa seguimos juntos o sonho de conquistar cada um o seu objetivo. Vamos em busca de nossa vitória e lágrimas. Da alegria e do sorriso compartilhado. Estamos focados nessa conquista e, mesmo faltando poucos dias, sabemos que agora é a hora de controlar a ansiedade, manter a cabeça no lugar e fechar a preparação para no dia largamos bem e estar juntos novamente comemorando mais essa conquista.

No dia 29 de maio de 2016, vou escrever mais uma grande página da minha história. Nada acontecerá como um passe de mágica. Eu sonhei um dia em correr essa maratona e procurei transformar meu sonho em realidade. Com muito esforço, dia após dia, vou em busca de conquistar meu objetivo pois a cada treino, a cada largada, me torno ainda mais forte e quero fazer ainda melhor!

link do youtube : https://www.youtube.com/watch?v=60oeV6XiDic

 

HISTÓRIAS EM DESTAQUE

  • historia_photo_Foto-Meia-do-Rio-5.jpg Paula Pessoa Machado -   Eu resolvi em Setembro de 2015 que tinha que dar um basta nos 30 cigarros diários que fumava e a corrida entrou […]
  • historia_photo_FB_IMG_1490020799892.jpg Alexandre da Silva Assis - Em 2014 corri a Maratona do Rio, na chegada meu filho Thiago e minha esposa estavam esperando. Eles tinham corrido a Family Run. […]
  • historia_photo_19274992_1320489901379564_6313877576808497069_n.jpg Maria Silvânia Ferreira Da Silva -   Desde de já falo que não foi fácil! Não tinha treinado nada e ainda estava proibida pelo os médicos de realizar qualquer […]

PARTICIPE

Inscrições abertas para os 42 Km da Maratona do Rio 2018. Garanta sua vaga!

VIVA HISTÓRIAS PRA CONTAR

Clique abaixo e compartilhe o seu amor pela corrida e pela Maratona do Rio. Conte sua história pra gente.